Abrir acesso rápido Acesso Rápido
Fechar acesso rápido Fechar
Icone de leitura

14 min de leitura

Icone de usuário

Redação SC Inova

 Icone de agenda

25 de outubro de 2023

Missão Reino Unido e Suíça: ecossistema de Joinville traz aprendizados, conexões e oportunidades de parcerias e negócios 

Visitas a sete cidades mostrou como o elo da academia (especialmente nos níveis mais altos de formação, como doutores e PHDs) com o mercado pode desenvolver inovações disruptivas. / Fotos: Divulgação

Ao longo de duas semanas, em um roteiro que passou por sete cidades, uma comitiva do ecossistema de inovação de Joinville conheceu em detalhes o que institutos de pesquisa, universidades, governos e empresas da Inglaterra e da Suíça estão desenvolvendo em relação à tecnologias do futuro.

A missão Reino Unido e Suíça 2023, organizada pelo Join.Valle, contou com a participação de 12 empreendedores, executivos e líderes do ecossistema do Norte catarinense e trouxe, além de conhecimento e ideias a serem replicadas, conexões e oportunidades de parcerias e negócios internacionais. Foram visitadas as cidades britânicas de Londres e Manchester, e as suíças Zurique, Berna, Neuchatel, Friburgo e Schaffausen.

Neste conteúdo, alguns dos participantes da missão destacam alguns dos principais aprendizados da missão e insights para o ecossistema e detalham os pontos altos dos ecossistemas visitados.

Fabiano Dell’ Agnolo, executivo do Join.Valle, comenta que a escolha de Inglaterra e Suíça foi muito acertada porque “foi evidente o interesse dos ecossistemas destas cidades visitadas em fazer conexões. Há um desconhecimento da parte deles com relação ao Sul do nosso país, e na missão construímos inúmeras oportunidades de parcerias e até mesmo negócios. A profundidade das pesquisas realizadas lá, por universidades, governo e empresas, é impressionante. Diferente de outras regiões, não há um glamour com relação a startups, o que vale é empreender com foco em pesquisa e resultado”. 

O elo da academia (especialmente nos níveis mais altos de formação, como doutores e PHDs) com o mercado impressionou a comitiva. “O modelo cooperativo entre universidades, empresas e governo é absurdamente desenvolvido. Tanto a Inglaterra quanto a Suíça estão muito à frente em termos de capacitação e aplicação da indústria do conhecimento. Isso porque eles têm áreas estratégicas de desenvolvimento e conseguem tirar projetos de papel fazendo grandes investimentos”, ressalta Ricardo Fantinelli, diretor executivo do Ágora Tech Park – a missão também contou com a participação do diretor-presidente do Instituto Ágora, Emerson Edel.

Para o professor Antonio Heronaldo, diretor da Udesc Joinville, o principal foco nos ecossistemas visitados foi “entender como aproveitar a capacidade instalada nas universidades, como pessoal altamente qualificado e geração de conhecimentos que podem ser aplicados nas demandas das empresas existentes ou na criação de novas empresas. A missão foi muito importante para abrir o olhar a novos modelos de interação universidade-empresa, ao mesmo tempo para fortalecer algumas ações que já estamos construindo para o funcionamento do Ágora.UNI”. 

A ideia de “CooPetition”, ou seja, competir no mercado sem deixar de cooperar com outras empresas (inclusive as concorrentes diretas), foi um dos pontos mais relevantes da missão, comenta o CEO da Q-Assist, Dieter Borgert. “Em um caso específico, vimos projetos de carros autônomos de empresas concorrentes e eles conversam regularmente. A lógica é que isso gere melhorias e reduza os defeitos durante o desenvolvimento. A educação é uma preocupação de todos e isso se reflete na parceria entre empresas e universidades”, comenta. 

“O brasileiro muitas vezes não percebe o quanto está distante do resto do mundo.  Vemos como outros países são conectados, não apenas entre seus pares do mesmo país, mas também internacionalmente. Muitas vezes nem nos falta a tecnologia, a criatividade ou estrutura de negócios. Nos falta apenas conectar”, resume Victor Albert Batista, que participou da missão representando a Prefeitura de Joinville. 

LONDRES: ARTICULAÇÃO FORTALECE POTENCIAL TECNOLÓGICO

Na capital inglesa, o roteiro envolveu uma série de iniciativas que podem inspirar o desenvolvimento dos centros de inovação em Santa Catarina. Uma das primeiras paradas foi na Catapult Network, uma rede de centros de tecnologia e inovação estabelecida pela Innovate UK (programa de P&D do governo britânico) que contam com infraestrutura de ponta – laboratórios, hubs e pequenas fábricas – onde são desenvolvidas soluções para áreas como manufatura, espaço, saúde, energia, transporte, telecomunicações e cidades inteligentes. 

A comitiva catarinense pode conhecer a estrutura na qual estão sendo desenvolvidos estudos sobre o uso do grafeno para áreas como construção civil, materiais e biotecnologia. e alta tecnologia de impressão 3D para alimentos. “O que para nós aqui no Brasil é o futuro, lá está em pleno desenvolvimento, graças a uma forte articulação entre empresas, universidades e governo para fortalecer o potencial tecnológico, atraindo e retendo talentos de vários países. Esse aspecto multicultural se reflete especialmente nas universidades, com um alto potencial instalado de pesquisa”, comenta Ricardo. 

Em Londres, a reurbanização de áreas degradadas encontrou a inovação, como mostram alguns ícones do ambiente de tecnologia local, como o White City Innovation District – um espaço que mescla unidades residenciais a espaços de trabalho voltados à inovação, em projeto desenvolvido em parceria com o Imperial College de Londres – um dos focos na região é a área de life sciences, que representa um terço do total (£5,2 bilhões)  investidos por empresas no distrito. A aceleradora local, Scale Space, conta com uma estrutura de dois andares e envolve mais de 300 pesquisadores trabalhando em projetos de 20 diferentes áreas. 

Como destaca Ricardo Fantinelli, diretor do Ágora, existe um estratégia não só de recuperar áreas degradadas mas também de transformá-las em ambientes que atraem pessoas, investimentos, negócios e novas ideias. Fatores como urbanismo, transporte público e entretenimento são tratados com muita relevância. “Você enxerga a tecnologia aplicada ao bem estar da população, vê as coisas acontecendo na prática –  e funcionando. Outro diferencial é a característica multicultural que existe e a facilidade com línguas. Por último, e não menos importante, você percebe o quanto é valorizado o conhecimento e a instrução, principalmente pelo mercado – que valoriza doutores e pesquisadores integrando seus negócios ou ambientes”, avalia. 

Durante a visita ao White City Innovation District, foram visitados vários projetos de pesquisa em IA em várias áreas. Em cada projeto, havia um professor coordenando e liderando a equipe, composta por técnicos e bolsistas. Dieter Borgert ressaltou a importância da interdisciplinaridade nesses projetos, com profissionais de diferentes áreas trabalhando juntos para encontrar soluções inovadoras. Ele também mencionou que os professores envolvidos possuíam além do alto nível de conhecimento técnico uma mentalidade empreendedora, o que impulsionava os movimentos de inovação.

Em outra área relativamente pobre da cidade, localizada no Leste de Londres, surgiu no final dos anos 2000 o Silicon Roundabout, no qual empresas digitais passaram a ocupar para criar uma nova centralidade para os empreendedores de tecnologia. A partir da década seguinte, grandes companhias globais chegaram à região, como Intel, Google, Microsoft e outras. O potencial de “testar rápido, falhar e tentar de novo”, tão em voga no ambiente de startups, pode ser visto até mesmo nas lojas-containeres próximas à estação de metrô local – os empreendedores podem alugar um espaço por um ou alguns meses para testar a aceitação de produtos aos consumidores, sem se preocupar com grandes custos de locação de longo prazo. 

ENGENHARIA ACOPLADA À MEDICINA

Um dos grandes aprendizados da missão foi a forma como projetos de inovação mesclam áreas de conhecimento tão díspares quanto engenharia e medicina. Os novos engenheiros aprendem a desenvolver soluções acopladas às necessidades do ser humano – assim como os médicos também estudam metodologias de engenharia aplicadas a questões de saúde. Usando novas técnicas construtivas, os projetistas, engenheiros e arquitetos simulam o funcionamento dos espaços, em uma verdadeira imersão de user experience. Como resultado, a reabilitação de pacientes chega a ser duas vezes mais rápida, com redução de até 40% do uso de medicamentos. 

“Medicina e engenharia estão conectados assim como o design e a saúde, traduzidos na visão do paciente. A ideia é quebrar a lógica em que gasta-se milhões na construção de um prédio mas não investem um minuto sequer para ouvir quem vai usar”, comenta Fabiano, do Join.Valle. 

Chama a atenção a simplicidade de algumas soluções: os ambientes dos quartos são decorados, pintados e mobiliados como se fossem de uma residência, não de um hospital, o que impacta positivamente na recuperação dos pacientes. Além disso, há um sistema de comunicação nos pronto-atendimentos que usa pictogramas que ajuda a identificar o problema do paciente por meio de figuras, caso ele não possa falar.

SUÍÇA: FAZER O SIMPLES, COM O MAIS ALTO GRAU DE EXCELÊNCIA

A terra dos relógios e dos chocolates deixou uma importante lição aos visitantes do ecossistema catarinense. Fazer o simples, mas com o mais alto grau de excelência, sempre buscando melhorar algum processo ou agregar mais conhecimento, é a chave para se tornar uma referência global. 

“Em todo momento, ouvimos a importância que os suíços dão para a educação e para a necessidade da melhoria contínua. Esta é a receita deles para inovar”, destaca Dieter, da Q-Assist. Ele destacou a visita a uma empresa que fabrica os famosos relógios suíços e que desenvolveu uma liga cerâmica com titânio: unindo o “melhor dos dois mundos”, o relógio tem uma impressionante resistência a riscos (característica da cerâmica) e a quebras (titânio). 

O país helvético dispõe também de um importante centro de tecnologia logística e de transportes, onde estão sendo desenvolvidos robôs humanóides que fazem a identificação de problemas nos trilhos dos trens que cortam a região, além da manutenção preventiva, o que representa uma redução de custos com acidentes e outros problemas estruturais mais graves que possam afetar o deslocamento de pessoas e cargas. 

“Apesar dos suíços estarem muito mais avançados do que nós na indústria do conhecimento e na capacitação, há semelhanças entre o ecossistema deles e o de Santa Catarina, se compararmos a conexão entre cidades de médio porte. A grande diferença é que eles deram um passo à frente na questão estratégica e conseguem captar recursos públicos com um mindset eficiente, como na iniciativa privada – e são projetos grandes, na casa dos milhões de euros”, compara Ricardo, do Ágora. “É incrível a visão de negócio dos ecossistemas visitados, em ótica globalizada, ou seja, visando escala. Há estratégias de marketing e comunicação voltadas ao ecossistema e a atração de investimentos, com foco na promoção de valor dos territórios inovadores e criativos. Além disso, há políticas e ações bem agressivas para atrair pessoas, negócios e investimentos”.

Para Victor Batista, a facilidade de fazer negócios e de empreender no exterior é outro ponto de destaque: “Estamos tão acostumados com a burocracia e o custo-Brasil que esquecemos que essa liberdade econômica é possível e o quanto faz bem às empresas. Fico sonhando com um Brasil menos burocrático, onde o empreendedor possa realmente focar no seu negócio, seu produto, sua solução e seu cliente. Ao invés disso, nós aqui estamos uma boa parte do tempo olhando para as burocracias, os diversos cálculos de impostos, as exigências são tantas que simplesmente distraem o empreendedor e fica difícil progredir. A Suíça é o oposto disso tudo”.  

Na visão do professor Antonio Heronaldo, “o grande foco nos ecossistemas visitados é aproveitar a capacidade instalada nas universidades, como pessoal altamente qualificado e geração de conhecimentos que podem ser aplicados nas demandas das empresas existentes ou na criação de novas empresas”.

Dieter mencionou que tanto na Inglaterra quanto na Suíça, houve um forte foco em inteligência artificial (IA). Ele destacou que em ambos os países, a IA é vista como um acelerador econômico e uma área estratégica para o desenvolvimento. Foram apresentados diversos projetos e pesquisas relacionados à IA, abrangendo áreas como mobilidade urbana, manufatura avançada, robótica e automação, biotecnologia/saúde e inteligência artificial em geral. Essas informações são inestimáveis para formular estratégias de investimento e crescimento futuro.

No geral, a missão deixou uma série de aprendizados (ver tabela abaixo), mas entre os mais importantes está a necessidade de criar conexões entre o ecossistema catarinense e outros países de ponta; a importância de investir na proficiência em língua estrangeira (em especial o inglês); e, sobretudo, ter uma estratégia clara do ponto de vista público (país, estado e cidades) sobre quais as áreas mais importantes para o desenvolvimento do país e investir de forma consistente em educação, pesquisa e desenvolvimento. O ecossistema catarinense tem um longo caminho para avançar.

Notícias relacionadas

Mais notícias Botão seta para direita

Startup Orcon, de Joinville, vence Super Pitch Day e terá R$ 155 mil em fomento para expandir

Fintechs do ecossistema Ágora expandem e anunciam novos projetos para 2024

Ágora Tech Park lança programa para atração de startups