Abrir acesso rápido Acesso Rápido
Fechar acesso rápido Fechar
Icone de leitura

19 min de leitura

Icone de usuário

Ágora Tech Park

 Icone de agenda

11 de março de 2022

Ecossistema de inovação: Como ambientes disruptivos impulsionam negócios

Foto: Manuel Sa

 

Mudança de cultura, conexão e oportunidades: como o Ágora Tech Park impactou empresas e se tornou um ponto de encontro para novas ideias

 

A busca pela inovação é um desafio que muitas empresas têm enfrentado nos últimos anos. Mais do que um diferencial competitivo, a mudança de paradigmas, a atualização de processos e a modernização das gestões organizacionais são fatores que estão diretamente ligados ao potencial inovativo das organizações.

Mas as mudanças não se restringem apenas a uma questão estrutural. Fatores como a cultura e o ambiente da empresa tem se mostrado elementos primordiais para o estímulo à criação de novas ideias.

Inaugurado em março de 2019, o Ágora Tech Park foi criado para ser um ambiente de troca de experiências e construções colaborativas. Seu objetivo é promover um ecossistema de inovação aberta, incentivando o networking e conexão entre empresas.

O parque tecnológico fica localizado na maior cidade de Santa Catarina, Joinville, que também é a décima cidade do Brasil com a maior quantidade de empresas de tecnologia, de acordo com o Tech Report 2020.

O grande desafio do Ágora é aproximar universidades, corporates, startups, governo e sociedade num geral mostrando o que é um centro de inovação e como ele pode ajudar a desenvolver a economia, a comunidade, trazer impacto social e promover inovação que gere resultado econômico.

Hoje, o Ágora Tech Park, instalado no Perini Business Park, já é considerado a principal arena de desenvolvimento de negócios da cidade. O movimento de busca por inovação que começou a se formar em Joinville, em 2014, encontrou na estrutura do Ágora o território perfeito para a criação e troca de novas ideias.

Um exemplo disso é a AVELL, fabricante de notebooks de alto desempenho que encontrou no Ágora Tech Park um ambiente favorável para iniciar uma mudança na sua cultura organizacional.

Hoje, a AVELL faz parte do ecossistema de negócios do Ágora, assim como inúmeros outros negócios. Em 2021, a empresa viu que a estrutura oferecida pelo parque tecnológico era exatamente o que precisava para unir a equipe.

Antes da mudança para o Ágora, a AVELL possuía uma loja no centro de Joinville e os colaboradores de diferentes setores trabalhavam de maneira descentralizada.

Para Julia Salomão, Gerente de Marketing da empresa, o crescimento da AVELL fez com que surgisse a necessidade de fazer um reposicionamento da marca. Transformar a imagem de loja na imagem de uma empresa de tecnologia.

— A AVELL mudou muito, só que continuava com aquela cara de loja. A mudança para o Ágora deu um outro ar para a empresa. O pessoal dá muito valor para o espaço em que trabalho. E aqui é um lugar aconchegante. Eu acho que isso anima as pessoas a vir trabalhar. Uma coisa que eu vi bastante diferença é que antigamente o pessoal não saia para almoçar. Ficava todo mundo dentro do escritório. Hoje, já é diferente. Então achei que a qualidade de vida de todo mundo acaba melhorando assim por causa disso — comenta Julia.

Mas não foi só o dia a dia dos colaboradores que foi transformado com a vinda da AVELL para o Ágora. As oportunidades de negócio também começaram a surgir e se concretizar à medida que a empresa foi se incorporando cada vez mais a esse ecossistema de inovação.

É o que explica Emerson Salomão, CEO e fundador da AVELL.

— Nós somos uma empresa de tecnologia e precisamos investir um percentual do nosso faturamento em pesquisa e desenvolvimento ou inovação. Aqui nós temos a possibilidade de fazer isso. Então a gente tem parceria com universidades, têm startups que estão aqui e que nascem aqui, e que fazem todo o sentido para a gente porque estamos inseridos no mesmo ambiente — comenta Salomão.

Para Júlia, o Ágora Tech Park é mais do que um ambiente de trabalho. É uma comunidade que traz segurança para que novos projetos possam ser criados e desenvolvidos ali.

— Uma das coisas que eu lembro quando a gente visitou aqui é que eles falaram que não tinha nenhuma empresa de hardware. Então isso também foi algo que me chamou atenção. Eles realmente enxergam em cada empresa o que ela pode fazer para agregar ao ecossistema. Então acaba virando uma comunidade, onde é possível impulsionar negócios e crescer — finaliza a Gerente de Marketing.

Impulsionar novas ideias demanda ambientes e processos disruptivos. É preciso deixar de lado hábitos enrijecidos, para incentivar um ecossistema em que a criação e o compartilhamento de ideias é impulsionado e valorizado pelas organizações.

Para a psicóloga Eduarda Floriani, espaços como o Ágora Tech Park proporcionam contextos e possibilidades diversas para a interação, é um dos principais estímulos para desenvolver a inovação e a criação de novas ideias nas empresas.

— Ambientes com diversos contextos fazem com que as pessoas olhem para as coisas de maneira mais sistemática. Por exemplo, tem uma fase no desenvolvimento de projetos que é muito exploratória, então quanto mais trocas tiverem nessa etapa, mais ajuda a expandir aquela ideia, agir e pensar de maneira inovadora — explica Eduarda.

Da invenção à inovação

 

Criada em 2016, o Fab Lab hoje também faz parte do Ágora Tech Park. O laboratório, que tem como objetivo difundir a cultura maker, percebeu uma oportunidade de expandir, ficar mais próximo do ecossistema de inovação do parque tecnológico e proporcionar para todas as pessoas que fazem parte daquele ambiente um espaço onde a invenção e a criação são possibilidades concretas.

Para Felipe Segui, Diretor Executivo do Fab Lab Joinville, o Fab Lab surge a partir do desejo de inúmeras pessoas, com as mais variadas experiências, de inventar e construir.

FabLab vem do termo em inglês ” Fabrication Laboratory”

— Fab Lab vem de Fabrication Laboratory e é um movimento que começou nos anos 60, nos Estados Unidos. Ele tem como propósito experimentar novas tecnologias e compartilhar conhecimento. Lá no começo, se construiu uma relação muito forte com a universidade e isso foi se integrando cada vez mais na história do Fab Lab. Inclusive, nosso primeiro laboratório aqui em Joinville foi dentro do prédio da UDESC — comenta Felipe.

Fab Lab Joinville é um organização sem fins lucrativos que busca incentivar e a impulsionar a criação e a invenção de projetos de cunho sócio-cultural na cidade de Joinville. Durante a pandemia de Covid-19 o laboratório se destacou pela produção de face shields para os profissionais da saúde.

Em três semanas o Fab Lab conseguiu produzir cerca de 1.300 face shields, com o apoio da comunidade e do trabalho voluntário. Segundo Felipe, esse projeto representa bem o que é a prototipagem de fabricação digital. Uma das atuações do Fab Lab e que se propõe a resolver os problemas numa velocidade muito maior do que a indústria.

Foi a partir da visibilidade conquistada com esse projeto, que o Fab Lab recebeu o convite para instalar o seu laboratório no Ágora Tech Park. O espaço chega ao parque tecnológico para ser um ambiente de propulsão criativa. Um lugar para experimentar, testar ideias, criar protótipos e compartilhar desafios.

— Uma coisa que eu digo bastante quando a gente vai conversar com as pessoas que querem conhecer melhor o Fab Lab é que a gente não trabalha com inovação. Aqui é um passo antes, que é o da invenção. Não precisamos que aquela ideia dê certo. Não precisamos aprimorar um processo ou melhorar um produto. Inventar é pegar algo do nada e ver o que que acontece, seja uma tecnologia ou um material novo – finaliza o diretor executivo.

Fortalecendo o ecossistema

 

Quando Frederico Samartini chegou ao Ágora Tech Park, percebeu que ali seria um lugar estratégico para a YSSY. A multinacional paulista é hoje líder na implantação de tecnologias de ponta e tem como foco a conectividade e a transformação digital.

Para o CEO da empresa, o potencial que o Ágora tem de mobilizar os diversos pilares da inovação, incluindo o conhecimento, faz com que ali seja uma importante frente de negócios, além de ser um caminho para o fortalecimento das relações e operações no estado de Santa Catarina.

— Quando eu cheguei lá, fiquei impressionado. Eu diria que o que tem lá não tem no Brasil e nem em São Paulo. Ainda não atingiu todo o potencial que tem, mas pode chegar a algo muito inovador. Um golaço para o Brasil — comenta Frederico.

Ainda que todas as facilidades digitais e tecnologias desenvolvidas no Ágora tenham sido importantes para a vinda da YSSY, a parceria e a conexão com as universidades foi um dos fatores determinantes para a sua chegada. Para Frederico, esse ponto de contato é essencial para alimentar ainda mais o ecossistema de inovação do qual a YSSY agora também faz parte.

— Um dos principais motivos que me fizeram ir para o Ágora foi para estreitar a relação com a universidade, com a pesquisa, os alunos e os professores. Eles precisam estar ali dentro. Assim como é preciso atrair mais empresas, criar uma estratégia de networking, e fazer crescer — conta.

Hoje, a YSSY possui dezenas de vagas de estágio abertas para fortalecer as relações em Joinville e na região. Para o CEO, estar no Ágora é uma forma de mostrar que a empresa está investindo em Santa Catarina e, principalmente, na formação de novos profissionais.

Inovar é criar valor para as pessoas e para o mercado. Por isso, ambientes de inovação precisam ser espaços baseados no conhecimento e na articulação de diferentes atores sociais. E é justamente esse o diferencial do Ágora Tech Park: ser um lugar que proporciona oportunidades de co-criação, colaboração, compartilhamentos e conexões reais como um catalisador de boas ideias.

Notícias relacionadas

Mais notícias Botão seta para direita

Startup Orcon, de Joinville, vence Super Pitch Day e terá R$ 155 mil em fomento para expandir

Fintechs do ecossistema Ágora expandem e anunciam novos projetos para 2024

Ágora Tech Park lança programa para atração de startups